DISTRITO FEDERAL, GERAL

Mais de 90% das escolas do Distrito Federal já foram higienizadas

A operação para desinfecção e higienização das escolas da rede pública já passou por 91,2% das unidades, desde que começou, em 27 de julho. Das 686 escolas, 626 receberam as equipes do Sanear DF. A sanitização, feita com hipoclorito de sódio, é para garantir um retorno seguro das atividades presenciais.

“Em primeiro lugar, nosso compromisso é preservar vidas. Estamos adotando todos os cuidados e protocolos necessários para uma retomada gradual e segura para estudantes, professores e demais profissionais que atuam nas escolas. Quando houver o retorno presencial, haverá limpeza entre os turnos e nos intervalos, além de outros protocolos rigorosos de prevenção à covid-19higiene”, afirma o secretário de Educação, Leandro Cruz.

LEIA MAIS

Padrão
DISTRITO FEDERAL, GERAL

Mais de 50% das escolas do Distrito Federal já foram higienizadas pelo Sanear

A ação de desinfecção e higienização das escolas da rede pública de ensino do Distrito Federal contra a covid-19 segue em ritmo acelerado para que todas as unidades possam retomar as atividades presenciais de maneira segura. Na primeira semana de trabalho das equipes do programa Sanear DF, 355 escolas já foram sanitizadas.

Até a última sexta-feira, 31/7, os profissionais do programa já haviam desinfectado todas as escolas de Samambaia, Gama, Guará, Estrutural, Taguatinga, Recanto das Emas, Santa Maria, Candangolândia e Lago Sul.

A meta é higienizar 686 escolas do Distrito Federal até 14 de agosto. A sanitização das unidades escolares ocorrerá a cada 15 dias, em ciclos. Quando chegar à última escola, retornará para a primeira e assim por diante até o fim do ano letivo.

LEIA MAIS

Padrão
DISTRITO FEDERAL, GERAL

Secretário de Educação e presidente do FNDE se reúnem para tratar de projetos no Distrito Federal

O secretário de Educação, Leandro Cruz, recebeu em seu gabinete, nesta quarta-feira, 29/7, o presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Marcelo Lopes da Ponte. A reunião foi uma oportunidade de estreitar laços e de tratar de projetos desenvolvidos pelo FNDE que podem trazer benefícios a milhares de estudantes da rede pública de ensino do Distrito Federal.

“Foi uma honra receber o presidente do FNDE, que é um importante parceiro e grande instrumento do governo federal para apoiar os governos estaduais e do Distrito Federal. Tenho certeza de que teremos um novo marco entre a relação do FNDE e da Secretaria de Educação, e o beneficiário de tudo isso será o futuro do Brasil e as gerações futuras do Distrito Federal”, ressaltou Leandro Cruz.

O presidente do Fundo esteve acompanhado de sua equipe técnica para debater os projetos implementados no DF.  “Nossa parceria tem que ser efetiva e prática em relação às demandas do GDF. Temos muitas obras aqui para desenvolver e inaugurar. Estamos estreitando os laços para que, o mais rápido possível, possamos realizar as entregas necessárias que o FNDE e o governo federal precisam fazer”, disse Marcelo Lopes da Ponte.

Também participaram da reunião o secretário executivo da SEEDF, Fábio Sousa, e os diretores do FNDE, Renata Mesquita D’Aguiar, de Gestão de Fundos e Benefícios (DIGEF/FNDE), e de Tecnologia e Inovação (DIRTI/FNDE), Paulo Roberto Aragão Ramalho.

LEIA MAIS

Padrão
DISTRITO FEDERAL, GERAL

Escolas públicas do Distrito Federal começam a ser higienizadas e desinfetadas

Começaram nesta segunda-feira, 27/7, a higienização e a desinfecção das 686 escolas da rede pública de ensino. O objetivo da limpeza é preparar os ambientes para a retomada das atividades presenciais com segurança sanitária para seus 460 mil estudantes, mais de 35 mil professores, servidores da carreira assistência e terceirizados.

São 15 equipes, compostas por 70 pessoas, que farão o trabalho antes do retorno. O produto usado é o hipoclorito de sódio, princípio ativo da água sanitária.

Pela manhã, o secretário de Educação, Leandro Cruz, e o secretário executivo das Cidades, Valmir Lemos de Oliveira, acompanharam a ação no Centro de Ensino Médio Urso Branco, no Núcleo Bandeirante.“É um trabalho de higienização por ciclos, que vai durar de duas a três semanas. Quando chegar à última escola, retomamos com a primeira e assim vamos até o fim do ano letivo. Além disso, haverá higienização diária nas escolas entre os turnos”, explicou o secretário de Educação, Leandro Cruz.

O secretário das Cidades, Valmir Lemos de Oliveira, afirmou que a operação será realizada com celeridade. “O programa Sanear/DF foi criado para colaborar com a retomada de todas as atividades no Distrito Federal com a higienização e a desinfecção dos espaços públicos. Nas escolas, vamos seguir até o fim do ano para que os estudantes tenham segurança durante as aulas”, disse.

LEIA MAIS

Padrão
DISTRITO FEDERAL, GERAL

Educação do Distrito Federal vai pagar acesso à plataforma para estudantes e professores

Até o fim de julho, estudantes e professores da rede pública do Distrito Federal que utilizarem o aplicativo Escola em Casa DF terão acesso gratuito à plataforma Google Sala de Aula. Nesta semana, a pasta publicará o edital de credenciamento para as operadoras interessadas. Logo que as empresas fizerem a adesão, o serviço poderá ser ofertado.

A Secretaria de Educação vai pagar por todo o consumo de dados registrado pelo aplicativo Escola em Casa DF, conforme os extratos de utilização que serão encaminhados pelas operadoras.

Pacote de dados

Para o acesso aos dados patrocinados, basta ter um dispositivo com chip ativo (telefone ou tablet, por exemplo) e baixar o aplicativo Escola em Casa DF.

Cada vez que a plataforma for acessada por meio do aplicativo, o usuário não gastará seu pacote de dados. O benefício é para uso exclusivo do Google Sala de Aula. Caso o estudante ou professor tenha dúvidas, deverá entrar em contato com a secretaria escolar.

“Não importa se o estudante é de baixa renda ou classe média, ou se é um professor, todos da secretaria cadastrados na plataforma serão beneficiados. O controle é feito pelo próprio aplicativo, que consegue informar à secretaria a quantidade de dados consumidos”, explica subsecretário de Inovação e Tecnologias Pedagógicas e de Gestão (Sinova), da Secretaria de Educação, David Nogueira.

LEIA MAIS

Padrão
DISTRITO FEDERAL, GERAL

Vídeo de estudante do Distrito Federal ajuda a utilizar o Google Sala de Aula

Ainda não conseguiu acessar o Google Sala de aula? A estudante Milena Luna, 18 anos, produziu um tutorial muito simpático em que ensina direitinho como navegar na plataforma e participar das aulas da sua escola. “Eu já estou fazendo algumas atividades e realmente a plataforma ajuda a gente a estudar a distância, está sendo tranquilo”, explica Milena.

A jovem, que faz inglês avançado no Centro Interescolar de Línguas (CIL) do Recanto das Emas e cursa Relações Internacionais na Universidade de Brasília (UnB), foi convidada pela escola para integrar um comitê de ajuda aos estudantes. “Nas conversas, a gente percebeu que muita gente estava com dúvidas. Fiquei muito feliz em ter sido convidada e me ofereci para gravar um vídeo que ajudasse de alguma forma esses estudantes”, afirma Milena.

“Então quer dizer que nessa primeira dificuldadezinha que apareceu uma tela verde que tu não sabe o que é, tu já queria desistir? Não, meu filho, não desiste, não! ”, diz a estudante no vídeo incentivando os colegas. Milena explica como acessar a plataforma pela primeira vez, mostra o mural, onde ficam as postagens do professor, onde ver as atividades que precisam ser realizadas, como preencher os formulários e até a forma de se comunicar com o professor para tirar dúvidas.

A estudante tem já uma familiaridade com o audiovisual. Ela conta que costuma gravar tutoriais de maquiagem para postar no Instagram, mas é a primeira vez que grava um vídeo com um caráter mais didático. “Fiquei muito feliz em saber que as pessoas estão gostando de assistir e que vai ser útil”, afirma.

LEIA MAIS

Padrão
DISTRITO FEDERAL, GERAL

Bolsa Alimentação para creches e escolas do Distrito Federal será paga nesta semana

Até o final desta semana, a Secretaria de Educação vai efetuar o pagamento da Bolsa Alimentação, por meio do Cartão Material Escolar. Serão beneficiados cerca de 106 mil estudantes de 70 mil famílias.

O valor da Bolsa Alimentação para julho foi calculado para 23 dias úteis, considerando R$ 3,98 por refeição. Aqueles estudantes que têm uma alimentação por dia na escola receberão R$ 91,54 e os que fazem duas refeições por dia terão creditados R$ 183,08.

Creche

Também para esta semana foi antecipado o pagamento da Bolsa Alimentação Creche referente aos meses de junho e julho, que estava previsto para o fim do mês. Serão beneficiadas 22.436 crianças de 21 mil famílias. No total, elas vão receber R$ 300.

O benefício é de R$ 150 por mês, para crianças de 0 a 5 anos da rede, calculado proporcionalmente ao gasto com alimentação que está incluído nos R$ 803,57 repassados mensalmente às conveniadas da Secretaria de Educação pelo atendimento de cada estudante matriculado. Os valores vêm da redução dos contratos com as creches conveniadas enquanto durar a suspensão dos atendimentos.

Histórico

A Bolsa Alimentação (BA) e a Bolsa Alimentação Creche (BAC) foram criadas pelo governador Ibaneis Rocha para garantir a assistência alimentar e nutricional aos estudantes durante o período de suspensão das aulas por força da pandemia da covid-19.

Os contratos para as recargas mensais haviam sido firmados considerando-se os períodos de suspensão das aulas. A princípio de três meses. Mas o secretário de Educação, Leandro Cruz, determinou a prorrogação do benefício.

“Para não ocorrer interrupção no auxílio, o novo contrato prevê a cobertura das bolsas até o fim do ano letivo, se necessário, devido à pandemia“, afirma o secretário.

Foi preciso um novo processo com o BRB para a renovação do contrato de acordo com os novos calendários.

Para garantir que as famílias recebam os valores sem atrasos, a secretaria está trabalhando com todas as possibilidades, independentemente do que venha a ocorrer em relação à pandemia. Com isso, renovou os contratos de recarga com o BRB até o fim do ano letivo, para evitar a necessidade de novos procedimentos administrativos.

Onde comprar

As famílias podem utilizar os benefícios na compra de alimentos em qualquer estabelecimento, como supermercados, mercados, mercadinhos de bairros, restaurantes e padarias. O BA e o BAC foram criados pelo GDF para que nenhum estudante ficasse sem merenda. A Secretaria ainda indica a lista de Gêneros Alimentícios, da Diretoria de Alimentação Escolar, como sugestão para manutenção de uma dieta rica e nutritiva para as crianças.

Nathália Borgo, ASCOM/SEEDF

Padrão
DISTRITO FEDERAL, GERAL

Página do Escola em Casa DF reúne material de suporte a professores e estudantes

A Secretaria de Educação do Distrito Federal reuniu na página do Escola em Casa DF as publicações para estudantes e professores relacionadas ao trabalho pedagógico no período da pandemia. São cinco cartilhas nos formatos de guia, orientação e planejamento para toda a rede engajada nos estudos on-line.

A maioria dos materiais com esse foco já estava disponível no espaço do site destinado à Educação Básica e, agora, passará a ser postada em aba específica, na página do programa.

“Apesar do ineditismo do momento que vivenciamos, reconhecemos o esforço, o compromisso e, sobretudo, o profissionalismo dos integrantes da nossa rede pública de ensino. Nada substitui a relação entre professor e estudante dentro de sala de aula. Mas temos de garantir que o conteúdo pedagógico chegue aos nossos estudantes de alguma forma”, destaca o secretário de Educação, Leandro Cruz.

O secretário executivo da pasta, Fábio Sousa, informa que os conteúdos foram concebidos como diretrizes, sugestões e suporte aos gestores, professores e demais profissionais da educação que atuam diretamente no processo de aprendizagem. “A interação entre professores e estudantes é pressuposto básico para se pensar e se desenvolver o trabalho pedagógico, mesmo que de forma remota”, completa Fábio Souza.

LEIA MAIS

Padrão
DISTRITO FEDERAL, GERAL

Atividades presenciais no Distrito Federal serão retomadas a partir de 03/08

Foto: Mary Leal, Ascom/SEEDF

A Secretaria de Educação divulgou nesta segunda-feira, 13/7, o cronograma de retomada das atividades presenciais na rede pública de ensino. O retorno foi planejado para ocorrer de forma segura, por etapas, começando pela testagem dos profissionais da educação para a covid-19 até chegar ao retorno presencial de professores e de estudantes.

Testagem

A retomada começa com a testagem para a covid-19 dos profissionais da educação, de 3 a 14 de agosto, em parceria com a Secretaria de Saúde do Distrito Federal.

Distanciamento

A organização do trabalho pedagógico será por meio de um modelo híbrido, que garanta o distanciamento físico necessário no contexto da pandemia. Metade dos estudantes de cada turma irá à escola presencialmente em um semana, enquanto os demais farão atividades virtuais ou impressas (no caso daqueles que não tiverem acesso). Na semana seguinte, cada grupo é invertido. A alternância irá até o fim do ano letivo, em janeiro.

Não será permitido que os estudantes permaneçam nas escolas por mais de um turno. Eles também serão sensibilizados quanto aos novos hábitos, como o uso de máscaras, lavar as mãos com frequência, evitar contato físico e não compartilhar objetos, entre outros.

De 17 a 28 de agosto, ocorrerá a ambientação presencial dos profissionais das carreiras magistério e assistência, com formação para os protocolos de segurança nas unidades escolares, de acordo com as orientações das autoridades de saúde pública. Aquelas pessoas que pertencem ao grupo de risco não voltarão. Profissionais que apresentarem sintomas da covid-19 também não deverão atuar de forma presencial.

Os profissionais da carreira  magistério que, em razão do planejamento de retorno, não derem início às atividades presenciais no dia previsto para sua etapa/modalidade, seguirão atendendo os estudantes pela plataforma Google Sala de Aula e por meio de material impresso, nas situações em que seja necessário. Esse atendimento deverá ser realizado preferencialmente mediante a atuação desses profissionais no ambiente escolar.

EJA, Educação Profissional, Ensino Fundamental e CILs

Os centros interescolares de línguas e as escolas parque serão os únicos a continuar com atividades exclusivamente remotas.

Os primeiros estudantes a retornarem serão os da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e da Educação Profissional, em 31 de agosto.

Em 8 de setembro, será a vez do Ensino Médio.

No dia 14 de setembro, retornam os estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental, incluindo a Escola do Parque da Cidade – PROEM. Em 21 de setembro, voltam os anos iniciais, incluindo a Escola Meninos e Meninas do Parque.

Educação Infantil

Para a Educação Infantil, a retomada está marcada para 28 de setembro, enquanto para os centros de ensino especial, a Educação Precoce e as classes especiais, as atividades presenciais retornam em 5 de outubro.

“Tudo foi planejado detalhadamente e tomando todos os cuidados necessários. Nós testaremos os professores, cumpriremos todos os protocolos, e teremos um retorno do processo educacional, mas de forma segura e absolutamente planejada”, garante o secretário de Educação, Leandro Cruz.

O secretário destaca que serão adotadas medidas sanitárias, “obrigatórias para as escolas, como a desinfecção, a higienização, os protocolos de distanciamento e os de lavar as mãos ao entrar nas escolas, de ter tapete de desinfecção, entre outras ações”.

Málcia Afonso, Ascom/SEEDF

Padrão
DISTRITO FEDERAL, GERAL

Educação do Distrito Federal divulga novos calendários escolares

A rede pública de ensino já tem os novos calendários escolares, que foram reorganizados considerando-se as aulas presenciais ministradas no começo do ano e a retomada por meio do ensino remoto. A Portaria nº 158, que aprova os calendários, foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal, na terça-feira, 14/7.

A retomada do ano letivo, de forma remota, aconteceu na segunda-feira, 13/7. O término será em 28/1/2021, exceto para a Educação de Jovens e Adultos (EJA), a Educação Profissional, os centros interescolares de línguas (CILs),  as instituições parceiras e os centros de educação da primeira infância (CEPIs), que têm encerramento marcado para 29/1/2021.

A reorganização segue a orientação do Ministério da Educação (MEC), que flexibilizou os 200 dias letivos obrigatórios, mas manteve a carga em 800 horas, e a Recomendação nº 01/2020, do Conselho de Educação do Distrito Federal (CEDF).

A Secretaria de Educação buscou manter a programação prevista nos calendários originais, adaptada ao novo contexto.

LEIA MAIS

Padrão