ANO LETIVO E ENSINO REMOTO

Acompanhe as informações do calendário letivo das redes estaduais e as medidas tomadas pelas secretarias para mitigar as perdas na aprendizagem dos alunos causadas pela pandemia. Veja o que está sendo feito por estado:

Última atualização: 18 de março de 2021, 15h39.

undefined

Ano letivo – O ano letivo começou no dia 8 de fevereiro, de forma remota.

Estratégias de ensino – A secretaria lançou uma plataforma com conteúdos para os estudantes e fechou uma parceria com um canal aberto de TV para oferecer teleaulas. Além disso, divulgou um Guia Orientador para o Desenvolvimento de Atividades durante o período de suspensão das aulas. Além do guia, sugestão de materiais, atividades e videoaulas estão disponíveis na plataforma Rede Escola Digital, da própria secretaria.

undefined

Ano letivo – O ano letivo da rede estadual de ensino começou no dia 10 de março, de forma remota. E por meio de atividades impressas.

Estratégias de ensino – A secretaria estabeleceu o Regime Especial de Atividades Escolares Não Presenciais. O documento orienta como as atividades devem ser realizadas pelas unidades de ensino, com o apoio das Gerências Regionais de Educação e da secretaria. (Portaria Nº 4.904/2020, publicada no Diário Oficial do Estado de Alagoas (DOE) de 7 de abril de 2020).

A Seduc propiciou a criação de contas de e-mail institucionais para que professores e estudantes tenham acesso ilimitado aos recursos de uma das principais plataformas educacionais do mundo, o Google Sala de Aula, por meio de parceria com a Google for Education no Brasil.

Conteúdos pedagógicos são transmitidos diariamente, por meio da TV Educativa, para estudantes. Com reprises. E disponibilizados na plataforma:
http://www.escolaweb.educacao.al.gov.br

Avaliação diagnóstica – A avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes será feita na primeira quinzena de maio, com o CAED.

undefined

Ano letivo – O ano letivo começou no dia 8 de março, de forma remota.

Estratégias de ensino – A secretaria disponibilizou plataformas para atividades não presenciais, como a Escola Digital Amapá, a Escolas Conectadas e o AVAMEC. Além dos livros didáticos já entregues aos estudantes no início do ano letivo de 2020, que poderão ser utilizados nas atividades elaboradas pelos professores.

Avaliação diagnóstica – A avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes será feita em fevereiro, com o CAED.

undefined

Ano letivo – O Ano Letivo da Rede Estadual do Amazonas começou em 18 de fevereiro, de forma remota, para os estudantes do Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA). Devido à situação epidemiológica do Estado ainda não há previsão para o início das aulas presenciais na rede.

Estratégias de ensino – A rede adota como estratégia aulas exclusivamente remotas, produzidas pelo Centro de Mídias de Educação do Amazonas e transmitidas por meio de TV aberta local com canais do “Aula Em Casa”. Além desse canal, a Secretária disponibiliza outras alternativas de acesso, como App Aula em casa, IPTV, Youtube, Facebook e demais estratégias utilizadas pelas escolas, de acordo com a realidade local.

Avaliação diagnóstica – A Avaliação de Verificação da Aprendizagem do Amazonas – AVAM será realizada no retorno às aulas presenciais.

undefined

Ano letivo – As aulas na rede estadual de ensino da Bahia teve início no dia 15 de março, em modelo de ensino 100% remoto. O planejamento da Secretaria da Educação do Estado indica a realização dos anos letivos de 2020 e 2021 até o dia 29 de dezembro, com 1.500 horas/ aula. Serão três fases de atividades escolares. Após a etapa 100% remota, será a vez da fase híbrida, com três dias da semana de aulas remotas e outros três de aulas presenciais e, por fim, a retomada das aulas 100% presenciais, considerando as condições de saúde pública do Estado, por causa da pandemia do novo Coronavírus.

Estratégias de ensino – Para garantir o acesso aos conteúdos pedagógicos durante as aulas remotas, a SEC fornecerá material didático e pedagógico digital e impresso. Quem não tem acesso à internet poderá ir na escola, uma vez por semana, com horário agendado, para pegar o material impresso e usar o wi-fi da escola.

Os estudantes tterão o acompanhamento dos professores nas salas virtuais do Google ou por meio do WhatsApp Chatclass Bahia, onde também serão disponibilizados os exercícios e conteúdos das matérias. Além disso, 52 mil monitores do programa Mais Estudos atuarão no reforço escolar dos colegas, sendo dois monitores por turma, em Língua Portuguesa e Matemática.

O Estado terá, ainda, um canal da TVE com programação exclusiva para conteúdos educacionais, o Canal Educa Bahia.

Avaliação diagnóstica – O estado também fará uma avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes.

undefined

Ano letivo – As aulas iniciaram no dia 1º de fevereiro, com as escolas podendo optar pelo modelo híbrido ou remoto.

Estratégias de ensino – As escolas foram orientadas a desenvolver um Plano de Atividades Domiciliares, utilizando o livro didático da rede como base. Para interagir com os alunos, professores estão utilizando as plataformas Aluno Online, Professor Online (desenvolvidas pela própria Secretaria) e Google Classroom. A avaliação dos conteúdos deve ser realizada no retorno às aulas presenciais. Os Centros de Educação de Jovens e Adultos também estão utilizando as plataformas tecnológicas para oferecer atividades não presenciais.
Para as atividades do regime especial não presencial, as escolas devem preparar materiais específicos por meios digitais ou não, viabilizando a realização das atividades por parte dos alunos.

Avaliação diagnóstica – A avaliação diagnóstica será realizada de 15 de fevereiro até 31 de março.

undefined

Ano letivo – O ano letivo na rede pública começou dia 8 de março, de forma remota.

Estratégias de ensino – O principal instrumento é a plataforma Google Sala de Aula. Os estudantes com dificuldade de acesso à internet já têm pacotes de dados para uso em qualquer dispositivo móvel pagos pela Secretaria. Estudantes que, por algum motivo, não tenham acesso, recebem material impresso.

undefined

Ano letivo – As aulas iniciaram dia 4 de fevereiro, no formato presencial/híbrido (com revezamento de alunos) ou remoto, seguindo as orientações do Mapa de Risco. Devido o avanço da pandemia, o Governo do Estado anunciou a suspensão das aulas presenciais em todas as unidades de ensino entre os dias 18 e 31 de março.

Estratégias de ensino – O ano letivo reinicia nos municípios que estão em Risco Baixo e Moderado, com todo o suporte e protocolos de biossegurança. As aulas na rede estadual foram retomadas em outubro, no formato híbrido. Os alunos que optarem pelo ensino remoto poderão acompanhar as aulas, que serão disponibilizadas no canal SeduES no youtube. Serão enviados dois projetos de lei à Assembleia Legislativa: um visando a concessão de ajuda de custo a professores, pedagogos e diretores efetivos no valor de R$ 5 mil para a aquisição de equipamento de informática (notebook, Chromebook ou tablet), e outro dispondo do “auxílio internet” no valor de R$ 50,00 mensais para cada professor – efetivo ou em designação temporária (DT).

Também foram anunciados o processo licitatório para a aquisição de notebooks destinados a profissionais da educação em designação temporária (DT) e da adesão à ata de registro de preço para compra de 60 mil Chromebooks, que serão destinados a estudantes da rede pública estadual. Esses equipamentos serão repassados em regime de comodato, devendo ser devolvidos após a conclusão dos estudos ou encerramento do vínculo. Além das ações voltadas à melhoria das condições de aprendizagem e da infraestrutura dos profissionais da educação, o Governo do Estado vai investir R$ 16 milhões na implantação do sistema de microgeração de energia elétrica a partir de fonte primária solar nas escolas da Rede Estadual. Cerca de 50 unidades devem inicialmente ser contempladas com a tecnologia, que garante uma maior sustentabilidade ambiental, bem como a economia de cerca de R$ 3 milhões por ano.

Avaliação diagnóstica – O estado fará, em fevereiro, com o CAED, uma avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes do 3º ano do Ensino Fundamental e da 3ª Série do Ensino Médio.

undefined

Ano letivo – A rede pública estadual iniciou o ano letivo em 25 de janeiro. Ao todo, 92% das 1.010 escolas estaduais retornaram as aulas no regime especial de aulas não presenciais (REANP), adotado desde o ano passado, ainda em março de 2020, no início da pandemia. Outras 8% das unidades escolares da rede estadual retomaram as aulas presenciais, no regime híbrido, com atividades desenvolvidas na escola e por meios remotos. As aulas foram iniciadas no dia 25/1 nas escolas com regime híbrido e no dia 21/1 naquelas com aulas não presenciais. Inicialmente, para as escolas com aulas presenciais, nas redes públicas e privada, foi determinado o limite máximo de 30% do número total de alunos considerando a capacidade de cada escola e sala de aula. Hoje, devido o avanço da pandemia, todas as escolas estão com aulas remotas.

Estratégias de ensino – Para atender aos estudantes tem o portal de conteúdo NetEscola, com aulas e listas de atividades para todas as séries do Ensino Fundamental e Ensino Médio, esse portal é atualizado diariamente pelos produtores de material das áreas.

Os professores dos Centros de Educação em Período Integral elaboraram também um trabalho de tutoria para que os alunos não fiquem com dúvidas. Esse trabalho é realizado pelas redes sociais, com aplicativos de reuniões e por ligações telefônicas para conversar com os alunos. Além disso, elaboraram e entregaram blocos de atividades aos alunos.

Os alunos do ensino médio estão contando com o Goiás Bem do Enem: Vídeo aulas, maratona de resolução de questões do Enem, lista de exercícios, vídeo dicas enviados para os alunos toda semana.

Existe também a transmissão de aulas ao vivo tanto para o ensino médio, quanto para os alunos do fundamental 1 e 2 na TV aberta e em Rádio AM e FM. TV Brasil Central e Radio Brasil Central.

Avaliação diagnóstica – A aplicação da avaliação diagnóstica será entre o dia 22 de fevereiro e o dia 4 de março. A atividade avaliativa será realizada com o apoio do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação (Caed) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). As unidades escolares terão um período de até 15 dias para organizar como será feita a distribuição dos alunos obedecendo a quantidade máxima de 30% da capacidade de cada sala de aula de acordo com o Protocolo de Biossegurança.

undefined

Ano letivo – A Secretaria de Estado da Educação do Maranhão publicou portaria com as Diretrizes Pedagógicas para 2021, disponível no portal do órgão (www.educacao.ma.gov.br). O ano letivo iniciou no mês de fevereiro em todas as escolas de forma remota, e poderá ocorrer de forma híbrida durante o ano, conforme os indicadores epidemiológicos.

Estratégias de ensino – A Rede Pública Estadual do Maranhão adotou diferentes canais de comunicação e plataformas digitais para alcançar estudantes das 19 Unidades Regionais de Educação do estado e garantir o acesso de todos às atividades escolares não presenciais. Além das aulas remotas que acontecem em todas os centros de ensino, são exibidas aulas de Ensino Médio, em TV aberta, pela TV Educação, canal 10.2; no rádio, pela

Rádio Timbira, podcasts contendo aulas novas diariamente; na internet, criou a Plataforma Gonçalves Dias, um portal com videoaulas, apostilas e roteiros de estudo, baseados no currículo do Ensino Médio da Rede Estadual de Ensino, e que serve de suporte para o ensino e a aprendizagem de professores e alunos.

A SEDUC distribuiu aos estudantes e professores chips com pacote de dados e material impresso aos estudantes em localidades distantes, sem conectividade. A comunidade escolar também foi orientada para a identificação das estratégias mais adequadas para o alcance de todos os discentes (material impresso, roteiro de estudos, listas de atividades, sequências didáticas, estudos dirigidos, projetos didáticos, videoaulas, audioaulas, videoconferências, programas de televisão e rádio, plataformas virtuais de ensino aprendizagem, entre outros).

Avaliação diagnóstica – O Estado do Maranhão realizou uma avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes de todas as escolas em tempo parcial com a parceria do CAED, e realizou, recentemente com estudantes da rede de ensino em tempo integral.

undefined

Ano letivo – As aulas da rede estadual de ensino em Mato Grosso começam no dia 8 de fevereiro, de forma não presencial (on line ou por meio de apostilas).

Estratégias de ensino – O Governo do Estado firmou parceria para ofertar a plataforma Google for Education, que permite maior interação entre alunos e professores.

Para os alunos que não possuem acesso à internet, serão entregues apostilas e haverá plantão pedagógico nas escolas para tirar dúvidas.

Avaliação diagnóstica – Haverá avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes no início do ano letivo. Também haverá um implemento de 320 horas para recuperar o conteúdo de 2020. Serão 1.120 horas/aulas em 2021.

undefined

Ano letivo – O início das atividades ocorreu com a jornada pedagógica (de forma virtual) para os profissionais da Rede Estadual de Ensino (REE), realizado durante o mês de fevereiro.

O retorno dos estudantes ocorreu com uma acolhida, iniciada no dia 1º de março, com as turmas de forma presencial nas escolas – de forma alternada e em número reduzido – planejada para orientações sobre a volta às aulas e para a distribuição dos kits de biossegurança, compostos por máscaras reutilizáveis, frascos de álcool em gel (480ml) e bisnagas de álcool em gel (100ml) para reposição.

A volta às aulas, por sua vez, ocorre de forma remota neste mês de março, conforme orientações passadas pelos órgãos de saúde do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul.

Estratégias de ensino – A secretaria trabalha com a plataforma Protagonismo Digital para execução de aulas remotas durante período de suspensão das atividades presenciais, bem como aplicativos de parceiros para a realização das aulas síncronas e assíncronas. Assim como ocorrido em 2020, neste ano os alunos sem acesso à internet receberão o material de estudos impresso em casa ou poderão retirar na própria escola.

Avaliação diagnóstica – O estado fará uma avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes e, para isso, tem conversado com o CAED.

undefined

Ano letivo – Na rede pública estadual de ensino de Minas Gerais, o ano letivo de 2021 teve início no dia 8 de março, de forma remota.

Estratégias de ensino – As atividades são ofertadas por meio do Regime de Estudo não Presencial, que foi desenvolvido pela Secretaria de Estado de Educação (SEE/MG. A principal ferramenta é o Plano de Estudo Tutorado (PET), que consiste em apostilas com conteúdos e atividade das disciplinas concentrados em volumes bimestrais e por ano de escolaridade. O material é disponibilizado pelos meios virtuais (site e aplicativo) e de forma impressa para os alunos que não têm acesso à internet. As escolas e Superintendências Regionais de Ensino identificam a melhor forma de distribuição do material impresso para esses estudantes.

Outra ação é o programa Se Liga na Educação, que são teleaulas alinhadas diretamente com os conteúdos dos PETs. O programa é exibido diariamente em tv aberta, em parceria com a Rede Minas, e retransmitido pela TV Assembleia, além de ficar disponível também no YouTube e no aplicativo Conexão Escola 2.0.

O Conexão Escola 2.0 ganhou uma nova versão neste ano, mais prático e com mais funcionalidades. O app está integrado ao Google Sala de Aula, com a navegação patrocinada pelo Governo de Minas. Nele, os alunos têm acesso aos conteúdos dos PETs e teleaulas do Se Liga na Educação, além de mais possibilidades de interação com seus professores.

undefined
Ano letivo – Iniciou no dia 3 de fevereiro, com aulas e atividades não presenciais.

Estratégias de ensino – Para garantir o processo de ensino e aprendizagem dos alunos da rede pública estadual, seja de maneira digital ou presencial, durante o período de pandemia, a secretária criou o movimento “Todos em Casa Pela Educação”, que disponibiliza conteúdos e atividades não presenciais através de videoaulas pela TV Cultura do Pará, áudios educativos por meio do Seducast, conteúdos de aprendizagens pelo Para Casa, além da plataforma educacional Enem Pará que disponibiliza conteúdos voltados para os alunos concluintes do ensino médio que irão fazer a prova do Exame.

Além dos conteúdos de aprendizagem disponibilizados através das plataformas digitais, a Seduc também está fornecendo materiais pedagógicos de maneira impressa aos estudantes, por meio dos cadernos de atividades estruturantes e compêndios, além do uso do livro didático como suporte no processo de aprendizagem. Esses materiais são elaborados por professores de todas as áreas do conhecimento e distribuídos nas unidades de ensino, dessa forma, garantindo materiais de estudos aos alunos que não possuem acesso à internet.

Avaliação diagnóstica – A avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes será feita entre abril e maio, com o CAED.

undefined

Ano letivo – O ano letivo começou dia 1º de março, com um treinamento para os professores. A partir do dia 8, começam as atividades com os alunos. As aulas serão retomadas de forma remota, assim como ocorreu em 2020. Portanto, todas as ferramentas que a Rede Estadual vinha utilizando no Regime Especial de Ensino continuam mantidas e serão aperfeiçoadas.

Estratégias de ensino – Plataforma Paraíba Educa, Google Sala de Aula, Aplicativo Paraíba Educa (com dados móveis patrocinados), TV Paraíba Educa, entrega de materiais impressos, programa de preparação para o Enem na Rádio Tabajara AM, entre outras, além da distribuição de cestas básicas com itens da merenda escolar.

undefined

Ano letivo – O ano letivo nos colégios estaduais iniciou no dia 18 de fevereiro, com reforço dos conteúdos prioritários de 2020. As atividades serão realizadas inteiramente de forma online até o dia 26 de fevereiro e servirão de base para que os professores identifiquem os conteúdos em que precisam focar.

Então, a partir de 1º de março, tem início o ensino híbrido, funcionará de duas maneiras. Uma delas será o formato síncrono, no qual um único professor dará a mesma aula tanto para os estudantes que estão em sala de aula quanto para os que estão em casa, com transmissão pelo Google Meet por meio de um notebook. Esse modelo deve começar em cerca de 850 colégios e aumentará gradualmente conforme são instalados pontos de internet rápida em mais salas de aula.

Já os demais 1,3 mil colégios vão iniciar o modelo híbrido junto com o Aula Paraná. Ou seja, o estudante vai à escola presencialmente em uma semana e na outra acompanha o conteúdo de casa, pelos canais de ensino online (TV, YouTube, aplicativos), realizando atividades enviadas pelos professores.

Em colégios onde não há conflito de turma dos anos finais (6º ao 9º ano) do Ensino Fundamental com o Ensino Médio em um mesmo turno, o modelo híbrido será iniciado no dia 1º. Já onde existem os dois ensinos em um mesmo período, o Ensino Médio vai iniciar as atividades presenciais apenas no dia 8 de março, obedecendo ao escalonamento e permanecendo mais uma semana no Aula Paraná.

Estratégias de ensino – As atividades remotas seguirão o mesmo modelo EAD de 2020, o Aula Paraná, que se baseia em três frentes de atuação: 1. Transmissão das aulas em multicanal TV aberta e Youtube; 2. Aplicativo Aula Paraná, disponível para dispositivos Android e iOS; 3. Aplicativo Google Classroom, também disponível para todos os sistemas.

No aplicativo Aula Paraná, além de acompanhar as aulas nos mesmos horários da televisão, o estudante poderá interagir com os professores e colegas em um chat em tempo real. A plataforma não consome dados 3G e 4G, pois a Seed fez parcerias com todas as operadoras de telefonia para oferecer pacotes de dados.

A Seed também fechou parceria com o Google Classroom, sistema de gerenciamento do Google voltado a escolas. Por lá, o aluno encontra a descrição das aulas, links para documentos e materiais extras publicados pelos professores, links para o Google Forms (onde os professores poderão disponibilizar perguntas e enquetes) e links do YouTube das aulas já transmitidas.

Alunos que não têm acesso a equipamentos eletrônicos têm preferência para assistir às aulas presencialmente. Os demais podem optar por ir à escola ou continuar em ensino remoto. Aqueles que forem presencialmente serão divididos em grupos que farão revezamento: uma semana em aula presencial e uma semana em aula remota.

Avaliação diagnóstica – A avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes será feita em março, com o CAED.

undefined

Ano letivo – As aulas começaram dia 4 de fevereiro para a rede particular e o Ensino Médio da rede estadual. Inicialmente, foi autorizado o modelo híbrido, com revezamento semanal, nas escolas da rede particular. Para as escolas da rede pública, o Ensino Médio foi autorizado a retornar no modelo híbrido, com revezamento semanal.

Com o avanço da pandemia, as aulas presenciais estão suspensas do dia 18 até o dia 28 de março, tanto na rede pública quanto privada, devido um novo decreto com medidas restritivas do Governo do Estado. No caso do infantil e do fundamental da rede pública, que ainda não retornaram, o calendário de retorno será divulgado após o fim dessas medidas mais restritivas.

Estratégias de ensino – Em 2020, a secretaria criou a plataforma Educa-PE, uma iniciativa pedagógica para transmissão ao vivo de aulas durante o período de isolamento. O conteúdo é transmitido de segunda a sexta-feira pelo YouTube (Educa-PE) e na emissoras TV Pernambuco, TV Universitária, TV Nova Nordeste e TV Alepe, das 13h às 17h, para o Ensino Médio. Para os estudantes dos Anos Finais do Ensino Fundamental, as aulas são disponibilizadas diariamente pela manhã no serviço de streaming. A ação é realizada em parceria com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e a Empresa Pernambuco de Comunicação (EPC).

Além disso, os gestores escolares tem autonomia para organizar a distribuição do material didático aos alunos.

Avaliação diagnóstica – Pernambuco vai realizar em abril uma avaliação diagnóstica com todos os estudantes do Ensino Fundamental e Médio da rede estadual, relativa a todos componentes curriculares. Essa avaliação possibilitará o planejamento do professor a partir da realidade das aprendizagens dos alunos. A Secretaria de Educação de Pernambuco também estará trabalhando com ensino híbrido e com estratégias de fortalecimento escolar envolvendo aulas complementares, projetos e outras atividades que contribuam para aprendizagem dos estudantes. Além disso, o Portal Educa PE (plataforma virtual criada para oferecer o ensino remoto) continuará com diversos conteúdos sintonizados com as necessidades dos estudantes. Tanto a avaliação diagnóstica quanto o Educa PE poderão ser acessados por meio do Aplicativo Conecta Aí, que oferece pacote de dados gratuitos para os estudantes.

undefined

Ano letivo – As aulas foram retomadas em 1º de fevereiro, de forma remota. Posteriormente, haverá uma consulta à comunidade escolar sobre a adoção do sistema híbrido. Dependendo da condição sanitária do Estado, a Seduc pode emitir uma nova portaria autorizando que seja adotado o modelo híbrido.

Estratégias de ensino – Entre as plataformas utilizadas, os alunos tem acesso a transmissão via Canal Educação, TV Antares, Google meet, zoom, whats App, além disso, as escolas estão produzindo material impresso. As escolas também tiveram total autonomia para planejar e implementar novas estratégias de acordo com suas especificidades.

A distribuição de chip com internet para os estudantes da rede é uma das novas ações.

A rede também tem um um plano de reforço – JUNTOS PARA AVANÇAR. De fevereiro a abril os estudantes irão revisar o conteúdo da série que cursou em 2020. Maio fazem uma avaliação diagnóstica e aqueles que estiverem aptos seguem apenas com o currículo da série que estão matriculados em 2021. Aqueles que apresentarem deficiência também avançam, mas farão reforço no contra-turno. Os estudantes que não foram aprovados no Enem, a partir de abril, poderão se inscrever em turmas do preparatório Pré-Enem.

undefined

Ano letivo – O ano letivo começou no dia 8 de fevereiro, quando foi entregue o plano de estudos e iniciado o processo de diagnóstico socioemocional dos alunos de todas as séries da rede estadual de ensino.

Para a volta das atividades escolares, a Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc-RJ) considerou duas possibilidades de modelos de ensino: híb​rido (remoto e presencial, com turmas em sala de aula em dias alternados) ou somente remoto, a serem adotados de acordo com as recomendações do Comitê Científico e das autoridades de saúde.

Em 1º de março, começam as aulas na rede. Nesse primeiro bimestre letivo, a proposta da Secretaria será a de desenvolver competências e habilidades do currículo essencial, dando continuidade aos estudos de 2020. A ideia é trabalhar os anos de 2020 e 2021 como um continuum escolar, de maneira que os conteúdos de 2020 sejam ensinados em 2021, conforme recomendação do Conselho Nacional de Educação (CNE). A partir de maio, será iniciado um trabalho com os conteúdos referentes à série ou ao ano de escolaridade em que o aluno está matriculado.

Para o retorno das aulas presenciais, a Secretaria de Educação vai priorizar os 70 mil alunos em situação de maior vulnerabilidade social, cerca de 10% da rede estadual de ensino. Por não possuírem dispositivo eletrônico que dê a eles condições de acompanharem as aulas remotas, os estudantes poderão ir à escola em sistema de revezamento de dias e turmas, para tirar suas dúvidas e ter acesso a recursos de áudio e vídeo produzidos para este período. O plano a ser adotado dependerá das recomendações do Comitê Científico e das autoridades de saúde. Pais e responsáveis também poderão optar pelo ensino exclusivamente remoto, caso desejem.

Desde outubro de 2020, foram tomadas todas as medidas sanitárias protocolares tanto quanto à infraestrutura das escolas quanto aos servidores, sempre em conjunto com o Comitê Científico e a Secretaria de Estado de Saúde. O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Educação, destinou o reforço de R$ 9 milhões para a compra dos materiais nas 1,2 mil escolas estaduais. Os colégios já estão com seus espaços adequados para garantir o distanciamento social e com Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), como luvas e face shield para os profissionais, além de máscaras para servidores e estudantes. As escolas também contam com dispensers para álcool em gel 70% e tapetes sanitizantes para utilização nas áreas comuns. Para o ano letivo de 2021, os alunos da rede estadual que estudarem presencialmente, considerando a aplicação do modelo híbrido, também receberão máscaras. 

Para garantir a saúde dos funcionários, todos os profissionais do grupo de risco da Covid-19, que já se autodeclararam com comorbidades, deverão permanecer em atividades exclusivamente remotas.

Para o ano letivo de 2021, ainda como forma de assegurar o distanciamento social, as escolas localizadas na Região Metropolitana deverão ter atividades de ensino presencial em horário único, preferencialmente, das 10h às 15h, fora dos horários de pico do transporte público. As unidades escolares também não poderão desenvolver atividades presenciais com os alunos enquanto o município estiver nas bandeiras vermelha e roxa, conforme a classificação de risco da Secretaria de Estado de Saúde.

Estratégias de ensino – A partir de março será disponibilizado um link de navegação gratuita para que os estudantes tenham acesso ilimitado ao conteúdo didático da Seeduc sem gastar seus próprios pacotes de internet.

Um novo aplicativo vai abarcar todo o conteúdo de ensino remoto, além das aulas ao vivo no Google Classroom. O acesso a esse material estará disponível para profissionais da educação e alunos, que vão poder navegar 24h nos sete dias da semana, usando exclusivamente a internet da Seeduc.

Para ampliar a conectividade da rede, a Seeduc também investiu R$ 4 milhões em verba extra para que as 1,2 mil escolas invistam em banda larga. As unidades escolares, que terminaram 2020 com uma média de apenas 1 Mega de velocidade de internet, terão o mínimo de 20, chegando até 100 Mega, de acordo com o quantitativo de estudantes matriculados. O salto de conexão inclui a disponibilização de wi-fi para alunos e profissionais dentro do ambiente escolar.

Para a oferta do ensino remoto, além do material didático impresso produzido pelos professores da rede, os alunos terão acesso ilimitado aos conteúdos oferecidos pela internet por meio do link patrocinado a ser adquirido pela Secretaria de Educação.

Avaliação diagnóstica – A avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes será feita em abril.

undefined

Ano letivo – O estado retomou as aulas da rede estadual de ensino de maneira não presencial no último dia 1/2.

A rede está finalizando os 25% restante do ano letivo de 2020 e iniciará 2021 em abril. O Estado aguarda melhoria no quadro pandêmico para início do ensino híbrido.

Estratégias de ensino – A secretaria disponibilizou para toda a rede a Escola Digital, ambiente virtual de aprendizagem da Secretaria, onde o professor pode postar conteúdo para os alunos e realizar webconferências. A secretaria também firmou parceria com a Google for Education para disponibilizar acesso gratuito às plataformas e recursos da empresa.

Avaliação diagnóstica – A avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes será feita em março, com o CAED.

undefined

Ano letivo – As aulas na Rede Estadual de Ensino retornaram no dia 8 de março, de forma remota.

Estratégias de ensino – Para os alunos que não têm nenhum tipo de acesso à internet, as escolas deverão realizar a entrega de conteúdo físico com materiais didáticos, por meio de agendamento prévio junto à escola.

Como o atendimento será realizado somente de modo virtual neste primeiro momento, as instituições de ensino devem fixar um cartaz em local visível com os contatos de telefone, e-mail e WhatsApp para a comunidade escolar.

Em 2021, as Aulas Remotas vão continuar sendo realizadas pela plataforma Google Sala de Aula.

Conforme dados do ano de 2020, dos 790 mil alunos matriculados na Rede Estadual de Ensino, 660 mil ativaram suas contas educacionais. O que significa que 82% dos estudantes já estão inseridos na ferramenta.

Em relação aos professores, dos 33,2 mil que atuam diretamente em sala de aula, 33 mil ativaram as suas contas educacionais. O que significa que 98% dos professores regentes de classe já estão inseridos na ferramenta.

Até o momento, desde julho de 2020, a plataforma Google Sala de Aula já registrou mais de 7 milhões de atividades geradas. Ainda, foram criadas mais de 36 mil turmas espelhadas e 520 mil ambientes virtuais.

Para ampliar o processo de capacitação dos professores, iniciado em 2020, será realizada mais uma edição do Letramento Digital. A formação tem o intuito de instrumentalizar os docentes para o uso das plataformas Google e outras ferramentas virtuais.

Diante da nova realidade, com o aumento significativo dos casos de covid-19 e da vigência da bandeira preta no Estado, a Seduc informa que o prazo para entrega dos documentos dos alunos matriculados na Chamada Pública Escolar foi estendido até o dia 22 de março, podendo serem encaminhados de forma digital por e-mail para a escola designada.

A ação visa evitar aglomerações e assegurar a vaga do estudante na instituição de ensino que foi designada.

Avaliação diagnóstica – O estado está trabalhando na elaboração de um plano de ação pedagógica para os anos de 2021 e 2022 com intuito de auxiliar os professores no processo de aprofundamento das aprendizagens que tenham sido comprometidas no excepcional ano letivo de 2020. Ainda, a partir de 2021, serão realizadas avaliações diagnósticas com cada estudante para aferir o conhecimento nos mais diversos componentes curriculares. A partir dos resultados, o professor irá trabalhar os conteúdos que precisam ser reforçados e avaliar as principais competências adquiridas.

Em relação às reprovações, a Seduc reitera que a orientação do Conselho Nacional de Educação (CNE), Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul (CEEd-RS) e do Ministério Público, é de que os alunos avancem de ano com recuperação de conteúdos e habilidades ao longo de 2021 e 2022.

undefined

Estratégias de ensino – Estão sendo ofertadas aulas remotas por meio da plataforma digital Google Classroom. As aulas são planejadas e ministradas pelos professores da rede estadual que atuam na Mediação Tecnológica, disponibilizadas por meio da plataforma “Google classroom”. Os professores elaboraram cronogramas contendo os temas das aulas e links de acesso, onde o aluno é direcionado para assistir as vídeo-aulas no canal da Mediação Tecnológica no YouTube.

Os estudantes dos 3° anos também contam com aulas do Revisa Enem. O endereço para acesso é o agoravaienem.seduc.ro.gov.br/admin/login. Basta clicar no botão cadastrar e informar o e-mail, para o qual será encaminhado uma mensagem de confirmação com um código de acesso à plataforma.

undefined

Ano letivo – O ano letivo 2020 será finalizado até o dia 31 de março. Neste período, as escolas vão realizar processos avaliativos, recuperação, exames finais, entrega de notas e organização administrativa da instituição de ensino. A Seed está cumprindo a legislação educacional vigente entre elas a Resolução CNE N° 02/20 e ainda as Resoluções do CEE/RR N° 29/20 e N° 11/2021.

No início de abril deverá ser divulgado o edital de matrículas para 2021 e o ano letivo 2021 deve iniciar na segunda quinzena do mesmo mês. A rede continuará com a oferta do ensino remoto. As aulas presenciais seguem suspensas conforme Decreto do Governo do Estado N°29.241-E de 27 de agosto de 2020 sem previsão de retorno.

Estratégias de ensino – A secretaria organizou o ‘Planos de Implementação para Atividades Não Presenciais’. Foi elaborado um plano para a rede pública de ensino em geral, outro específico para a Educação Especial e outro para Formação de professores. Todos os documentos estão disponíveis para consulta no Blog da Seed, no endereço eletrônico www.seedrrblog.wixsite.com/seed.
 
Para os estudantes que possuem acesso à internet, os conteúdos estão sendo repassados de forma on line, por meio de redes sociais como Whatsapp, aplicativos como Google Classroom, Google Sala de Aula, Google Meet, Youtube, entre outras ferramentas digitais.
 
A secretaria conta com um grupo de especialistas em tecnologia da informação no assessoramento direto aos professores e alunos, com a oferta de minicursos e informativos.
 
Para os que não possuem acesso à internet, os conteúdos estão chegando em material impresso, produzido pelos professores e estão sendo entregues aos pais nas escolas, que estão funcionando em regime de escala de plantão e rodízio de funcionários, obedecendo protocolos de segurança.
 
No interior e nas comunidades indígenas, o material de estudo está sendo distribuído por meio do transporte escolar.  Os seis centros de ensino regionais indígenas tiveram reforço nos equipamentos, recebendo impressoras e papel para auxiliar o trabalho dos professores indígenas.
 
Vale destacar que os professores das Salas de Recursos Multifuncionais e centros especializados estão produzindo material para os estudantes público alvo da Educação Especial, seguindo as diretrizes do Plano de Implementação da Educação Especial.
 
A secretaria também iniciou o Programa de entrevista ‘Dialogando com o Psicossocial’, que é apresentado três vezes por semana na Rádio Roraima. As psicólogas da Divisão de Desenvolvimento Psicossocial da Seed abordam temas importantes neste período de aulas não presenciais e pandemia do Coronavírus, como isolamento social, relações familiares, violência doméstica, saúde emocional, entre outros, sempre com uma abordagem construtiva, levando informação aos ouvintes e palavras de incentivo para enfrentar o período da pandemia.
 
Na Rádio RR. professores de várias disciplinas dão dicas de estudo e conteúdos educacionais. O programa ‘Ondas do Saber’ vai ao ar todos os dias às 10h e as 16h, com reprises aos finais de semana. Éum complemento à continuação da aprendizagem escolar, levando conteúdo e informação aos estudantes da rede, especialmente os que residem no interior do estado e comunidades indígenas.

Avaliação diagnóstica – O estado fará uma avaliação diagnóstica quando ocorrer o retorno presencial. Mediante os resultados, serão elaborados planos de recuperação.

undefined

Ano letivo – A rede estadual de Santa Catarina iniciou as atividades no dia 18 de fevereiro de 2021, com três modelos que serão adotados pelas unidades escolares. Estes sistemas foram pensados para que a volta às aulas pudesse ser feita de forma segura, adaptando-se à estrutura de cada escola: 100% presencial, misto e 100% remoto.

O primeiro modelo, 100% presencial, se aplica às escolas que têm capacidade para receber todos os alunos matriculados. O critério para adotar este modelo é a possibilidade de manter as regras de distanciamento social de 1,5 metro entre as carteiras das salas de aula.

Já o sistema misto, que será aplicado para a maioria dos alunos do estado, é realizado com uma alternância entre as categorias ‘Tempo Escola’ e ‘Tempo Casa’, para manter distanciamento social com grupos menores nas escolas. O “Tempo Escola” consiste na realização de atendimento presencial nas unidades escolares, com turmas subdivididas em grupos para que as salas não fiquem cheias. E o Tempo Casa consiste em atividades pedagógicas realizadas com ou sem a mediação de tecnologias digitais.

Já o terceiro modelo, 100% remoto, se aplica aos estudantes, professores e servidores que são, comprovadamente, grupo de risco, e deverão permanecer em casa realizando atividades remotas. Este modelo também se aplica aos estudantes cujos pais preferem manter os filhos em casa, com declaração em um termo de compromisso.

Estratégias de ensino – Para alunos com acesso à internet, será mantido o uso da plataforma Google Sala de Aula para o envio de atividades e interações entre a turma e o professor. Já para os estudantes com acesso restrito ou sem acesso à internet, a secretaria irá seguir com a entrega de materiais impressos nas escolas de origem do estudante para os pais e responsáveis.

undefined

Ano letivo – A Secretaria Estadual de Educação de São Paulo anunciou no dia 11 de março a antecipação dos recessos escolares dos meses de abril e outubro para o período de 15 a 28 de março, conforme calendário escolar. A recomendação é para que todas as atividades nas escolas sejam reduzidas ao mínimo necessário para diminuir a circulação de pessoas.

A medida ocorre por conta das restrições apresentadas nesta quinta-feira na fase emergencial do Plano São Paulo.

Neste período as unidades estarão abertas para oferecer merenda escolar aos alunos que mais precisam. Também estarão disponíveis para a distribuição de material didático impresso e dos chips de internet aos alunos que fizeram adesão ao programa. Todos os atendimentos serão feitos com horário marcado.

As escolas devem se organizar para definir quais membros da equipe escolar estarão presentes a cada dia para realizar as atividades necessárias.

No período do recesso, os alunos não terão atividades obrigatórias e deverão permanecer em casa. O Centro de Mídias da Educação de SP (CMSP) vai reprisar as aulas, e os alunos podem acessar de forma opcional como reforço escolar. As aulas também podem ser assistidas pelos canais da TV Educação e TV Univesp, ambas da TV Cultura, além do aplicativo do CMSP, com dados patrocinados.

O ano letivo de 2021 teve início no dia 8 de fevereiro para 3 milhões dos 3,3 milhões de alunos que foram autorizados a retomar as aulas presenciais, em sistema de rodízio, em 4,5 mil das 5,3 mil escolas da rede estadual de São Paulo. Os alunos que não puderem acompanhar as aulas nas escolas devem fazê-las remotamente no Centro de Mídias da Educação de São Paulo. E até mesmo quem retornar à rotina de aulas terá apoio no Centro de Mídia SP.

O Governo do Estado autorizou a abertura das unidades escolares mesmo nas fases mais restritivas do Plano São Paulo, colocando a Educação como serviço essencial no Estado. A decisão é baseada em experiências internacionais para garantir a segurança dos alunos e professores, bem como o desenvolvimento cognitivo e socioemocional das crianças e adolescentes.

O retorno presencial, entretanto, é gradual e está condicionado à autorização das prefeituras. Mesmo nos municípios autorizados, a presença dos alunos nas escolas não é obrigatória nas regiões que estejam na fase vermelha, laranja ou amarela do Plano São Paulo, mas as escolas poderão permanecer abertas e com atividades nessas etapas.

Na rede estadual, neste início do ano letivo, a presença é limitada a até 35% dos alunos matriculados. Cada unidade poderá definir como irá realizar o rodízio de alunos e suas atividades presenciais e remotas. A carga horária também poderá ser adaptada para o cumprimento das normas.

Para a retomada, a Seduc-SP adquiriu e distribuiu uma série de insumos destinados tanto aos estudantes quanto aos servidores, como 12 milhões de máscaras de tecido, mais de 440 mil face shields (protetor facial de acrílico), 10.740 termômetros a laser, 10 mil totens de álcool em gel, 221 mil litros de sabonete líquido, 78 milhões de copos descartáveis, 112 mil litros de álcool em gel, 100 milhões de rolos de papel toalha e 1,8 milhão de rolos de papel higiênico.

Estratégias de ensino – Ainda em 2020, a secretaria lançou o Centro de Mídias da Educação de SP (CMSP). A plataforma permite que os estudantes da rede estadual tenham acesso a aulas ao vivo, videoaulas e outros conteúdos pedagógicos mesmo durante o período da quarentena.

Também foi disponibilizado um segundo aplicativo para download, o CMSP Educação Infantil e Anos Iniciais, com conteúdo exclusivo para essas etapas de ensino. Os dois aplicativos do Centro de Mídias SP estão disponíveis para os sistemas Android e IOS.

Além da ferramenta que viabiliza o ensino presencial mediado por tecnologia, o Governo de São Paulo também entrou em acordo com a TV Cultura para transmitir aulas por meio dos canais digitais 2.2 – TV Univesp e 2.3 – TV Educação.

A secretaria está patrocinando internet para que alunos e professores da rede tenham acesso aos conteúdos via celular, sem qualquer custo. Para isso, firmou contrato com cada uma das quatro maiores operadoras de telefonia: Claro, Vivo, Oi e Tim. Dessa forma todo o estudante da rede pode desfrutar das atividades do aplicativo sem utilizar o pacote 4G do celular, sinal de internet wi-fi, ou mesmo quando estiver sem créditos.

Avaliação diagnóstica – A avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes será feita na primeira semana de março.

undefined

Ano letivo – O ano letivo na rede estadual será iniciado dia 22 de março, no modelo híbrido.

Estratégias de ensino – Em 2020, o governo fez parceria com a Secretaria de Educação do Amazonas e disponibilizou videoaulas na TV Pública do Estado, com 4h40 diárias para ensino médio e fundamental II.
Além da TV, a Seduc também lançou aulas pela rádio para o ensino fundamental e reforço para o Enem.

Também lançou o portal e aplicativo Estude em Casa com mais de 10 mil conteúdos para alunos, professores e família.

Para o Enem, foi feito uma força tarefa com a equipe do Preuni Seduc. Professores fizeram lives, diariamente, com 2h de duração no Youtube. Também foi disponibilizado para o aluno simulado online com mais de 300 questões comentadas e cadernos complementares.

Internet para alunos e professores, melhoria dos laboratórios de informática, aperfeiçoamento da qualidade do parque tecnológico escolar, lançamento de canal de TV com 20h de conteúdo pedagógico, lançamento de portal e aplicativo com mais de 10 mil conteúdos, recursos direto nos cofres das escolas para dotá-las de medidas sanitárias, recursos para projetos, entrega de kit escolar para os estudantes com 27 itens e investimentos em merenda, infraestrutura e segurança são algumas das ações que o Governo do Estado tem persistindo para garantir que o ensino híbrido, ou seja, presencial e remoto, seja uma realidade diária na rede estadual de ensino.

No retorno às aulas presenciais, deverá ser aplicada avaliação diagnóstica para verificação da aprendizagem.
Avaliação diagnóstica – O estado realizou uma avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes da 3ª Série do Ensino Médio, com o CAED.

Avaliação diagnóstica – O estado realizou uma avaliação diagnóstica da aprendizagem dos estudantes da 3ª Série do Ensino Médio, com o CAED.

undefined

Ano Letivo – As aulas na modalidade não presencial foram retomadas no dia 11 de janeiro. A integralização da carga horária de 2020 deve ocorrer até 24 de março de 2021. O ano letivo de 2021 está previsto para iniciar no dia 5 de abril de 2021.

Estratégia de Ensino – Conforme o Decreto nº 6.211, as escolas estaduais poderão retornar as aulas presenciais, a partir de 8 de janeiro de 2021, de forma gradativa, seguindo todas as orientações Portaria nº 185 e as medidas do Plano de Retomada das Atividades Escolares Presenciais ou Híbrido.

O Plano apresenta um conjunto de práticas pedagógica, de gestão e de proteção à saúde no processo de implementação das aulas presenciais. O documento foi elaborado pela equipe técnica da Seduc e aprovado pela Comissão Regional de Segurança em Saúde e Prevenção à Covid-19, que é formada por servidores das Diretorias Regionais de Educação, representantes da Saúde e da comunidade escolar.

A retomada gradativa será realizada com escalonamento, recomendando-se que as turmas funcionem com até 50% da sua capacidade, garantindo assim o distanciamento social. Conforme o Decreto nº 6.211, as atividades educacionais presenciais poderão ser suspensas a qualquer tempo ou momento em caso de alterações do quadro epidemiológico, seguindo orientações das autoridades sanitárias.

Considerando que o retorno das atividades para o ensino fundamental e médio ocorre em fases distintas, até a integralização da carga horária de 2020 em toda a rede, nas turmas com carga horárias já integralizadas, ocorrerão atividades de busca ativa escolar, com o propósito de minimizar os impactos na aprendizagem durante a pandemia.

Avaliação Diagnóstica – As unidades da rede estadual realizarão o diagnóstico da situação educacional e da aprendizagem dos estudantes, que nortearão o planejamento pedagógico, bem como o calendário letivo, observando as orientações na Indicação do conselho Estadual da Educação (CEE/TO) nº 009, de 16 de dezembro de 2020.

Painel com estados que retomaram AS AULAS no modelo híbrido ainda em 2020